10 anos sem Benedito Nunes,

55 anos de um clássico (1)

 

Quando do lançamento da edição revista e atualizada de “Filosofia contemporânea” naquele cenário fabuloso que é a Igreja/Museu de Santo Alexandre, na Cidade Velha de Belém, perguntei a Benedito Nunes se ele faria o mesmo com “Introdução à Filosofia da Arte”. Sua resposta foi mais ou menos esta: “Não pretendo. Teria que retornar a alguns autores [e obras] e me aprofundar em outros mais recentes. Seria um trabalho imenso, para o qual não tenho [mais] tempo”. Cabisbaixo, tascou na dedicatória: “Para Afonso Medeiros, já meu leitor, a simpatia intelectual de Benedito Nunes. Belém, 2009”. Fiquei sem saber se a “simpatia intelectual” referia-se à minha pessoa ou ao livro revisado e atualizado de filosofia contemporânea que ele acabara de nos presentear.

Confesso que não degluti muito bem a desculpa do Mestre. Como aquela que talvez seja sua obra mais reeditada não seria objeto de sua revisão, já que ele estava lançando justamente uma atualização de seu “Filosofia Contemporânea”? Uma possível resposta talvez tenha sido dada cinco anos antes desse relançamento. Quando de sua conferência sobre arte e estética no II Fórum Bienal de Pesquisa em Artes (2004), realizada na Igreja/Museu de Santo Alexandre, Benedito Nunes foi questionado sobre a pós-modernidade: “Prof. Benedito, o que o senhor tem a dizer sobre pós-modernidade?” Resposta: “Pós-modernidade? Não sei. Eu sou moderno. Quando eu morrer virá a pós-modernidade. E aí ficará pra vocês saberem [rsrs]” – risada geral.

Benedito Nunes faleceu em 27 de fevereiro de 2011 e seu velório ocorreu na mesma Igreja/Museu de Santo Alexandre. Só a partir desse início de pós-modernidade (ou de pós-beneditidade), comecei a juntar alguns fios dos meus poucos contatos diretos (e dos muitos indiretos) com o Mestre.

A primeira edição de “Filosofia Contemporânea” (1967) sucedeu a primeira edição de “Introdução à Filosofia da Arte” (1966), este lançado pela Editora da Universidade de São Paulo (Coleção Buriti, 7), que tinha à época Antônio Cândido, Décio de Almeida Prado, Paulo Emilio Salles Gomes e Sérgio Buarque de Holanda em seu Conselho Diretor. Apesar do momento de perseguição ideológica, era um instante em que a ditadura instalada no Brasil desde 1964 ainda não tinha exposto suas afiadas garras.

Na apresentação de “Introdução à Filosofia da Arte”, assinada pelos editores (a qual não sobreviveu às sucessivas reedições da Editora Ática), lê-se: “Talvez pela primeira vez no Brasil a filosofia da arte seja exposta com tanta segurança e modernidade, e ao mesmo tempo com uma clareza e elegância que a tornam acessível aos não-especialistas” (apud Nunes, 1966, p. 7). Naquela década em que os uspianos ainda estavam fazendo a operação rescaldo da modernidade na intersecção com as raízes estéticas, sociológicas e literárias do Brasil, “Introdução à Filosofia da Arte” deve mesmo ter soado como uma lufada modernizadora dos estudos filosóficos acerca da arte. Sobretudo, esta obra está atravessada por uma preocupação pedagógica que o próprio Benedito Nunes expressou em seu discurso quando da obtenção do título de Professor Emérito da Universidade Federal do Pará em 30 de novembro de 1998:

Ensinei-me a jamais abordar um assunto de que não tivesse suficiente conhecimento, a ouvir o estudante, a ser por ele inquirido e confessar-lhe minha ignorância quando fosse o caso. A pesquisa, de que têm resultado meus livros, foi consequência desse ensino (Nunes, 2009, p. 25). (2)

​​​Na afirmação citada encontra-se algo que já não é mais relevante para muitos dos acadêmicos brasileiros contemporâneos: a percepção de que a pesquisa é baseada e retroalimentada pelos processos de ensino/aprendizagem, por esse laboratório de perceptos e afectos que é a sala de aula. Dado o assombroso desprestígio da atividade docente nas últimas décadas, não deixa de causar-nos espanto o fato de que Nunes não tenha se apresentado como professor-filósofo ou professor-pesquisador – estratégia de muitos de nós para driblar o desprestígio. Benedito Nunes era professor, um “simples professor” que não tinha aquele pavor acadêmico pós-conceitual de ser “simples”, “didático” e “pedagógico”, admitindo que seu caminhar investigativo era regido pelo confronto diário com as mentes juvenis. Apesar disso (ou por causa disso), poucos entre nós exerceram a crítica, a filosofia e a estética com tamanho refinamento – resta saber se “Introdução...” resulta de notas e roteiros para os cursos que ministrou.

Imediatamente após ter sido aprovado em concurso público (1989) na área de Estética e História da Arte na UFPA, fui contemplado exclusivamente com turmas de Estética I para alunos de Artes Plásticas, Arquitetura e Comunicação – consegui dar aulas de História da Arte somente sete anos depois. Apavorado desde a preparação para o concurso com os parcos compêndios sobre estética disponíveis nas bibliotecas e livrarias de Belém, amealhei rapidamente alguns poucos títulos num momento em que, diga-se, não existia a internet para potencializar nossa sina de catadores de livros e artigos. Entre eles estava “Introdução à Filosofia da Arte” e logo percebi, comparando-o com os outros títulos disponíveis, (3) o que os editores que assinaram a apresentação da primeira edição queriam dizer com “Talvez pela primeira vez no Brasil a filosofia da arte seja exposta com tanta segurança e modernidade”.

De fato, todos os autores de compêndios sobre estética que juntei naqueles anos iniciais da docência universitária foram publicados em língua portuguesa ou espanhola bem depois do lançamento de “Introdução...”. Diferentemente das estéticas de Huisman, Osborne, Bayer e Bastos, que expõem cronologicamente a história das ideias estéticas no Ocidente (com exceção de Osborne, que também cita os chineses), e mais próximo dos intentos de Lacoste, Souriau e Loureiro, que expõem ideias centrais da estética em relação com diversas teorias das artes, Nunes aborda a estética em três grandes eixos não cronológicos: 1- Conceitos preliminares; 2- Arte e Realidade; 3- Arte e Existência, todos discutíveis por uma plêiade considerável de filósofos postos em relação conceitual com teóricos, sociólogos e historiadores da arte. (4) Pelo lido e relido, Nunes continuava atento ao campo da Estética como disciplina eminentemente filosófica sem descurar de suas relações com a literatura e as artes em geral, num esforço de fornecer visões transversais, mas nada simplistas ou totalizantes.

Escrito justamente no momento em que os artistas conceituais atacavam de frente a pertinência de se encarar a arte com lentes fornecidas pela estética (pelo menos aquela identificada com os estatutos da beleza e do gosto), Benedito Nunes reelabora duas grandes questões ainda candentes nos anos 1960 e que, por debaixo dos panos, continuariam fulcrais para a teoria da arte contemporânea: 1- das relações entre estética e filosofia da arte (Osborne, 2010); 2- do conceito de poética.

Nas relações entre Estética e Filosofia da Arte, assinala que, enquanto os fenômenos estéticos não são (todos) circunscritos pela arte, “a Arte excede, de muito, os limites das avaliações estéticas” (Nunes, 2006, p. 15). E reitera que a Filosofia da Arte, ao nascer (no séc. XIX) depois da Estética, não prescinde dos pressupostos desta, mas que tal filosofia é

[...] uma reflexão que tem como um de seus fins últimos justificar a existência e o valor da Arte, determinando, no conjunto das criações do espírito humano, a função que ela desempenha, ao lado da ciência, da religião, da moral e, também, fato digno de nota, ao lado da própria filosofia, cujo atual interesse pela Arte não encontra paralelo em épocas passadas (Nunes, 2006, p. 16).

 

Dessa maneira, Nunes ‘desabilita’ a Estética como campo exclusivo das questões filosóficas específicas da arte, numa operação que ressoa a tentativa de Hegel de extirpar da disciplina fundada por Baumgarten (e revisada por Kant) a problemática do belo como imperativo categórico tanto na natureza quanto na arte. Ou seja, as categorias gerais da ‘ciência do sensível’ ficam mesmo com a Estética, enquanto a Filosofia da Arte atém-se às questões específicas suscitadas pela historicidade das artes.

Note-se que Benedito Nunes não só estabelece uma diferenciação epistêmica entre Estética e Filosofia da Arte, como também sugere a esta uma configuração precisa justo no momento em que a validade do campo estético para abarcar os fenômenos artísticos contemporâneos estava sendo seriamente questionada pelos artistas. Essa discussão, nos idos dos anos 1960, não era de pouca monta. Luigi Pareyson, em seu “Os problemas da estética”, coincidentemente lançado no mesmo ano (1966) do aparecimento de “Introdução à Filosofia da Arte”, também toca no problema afirmando que tanto os artistas ou os historiadores ou críticos que “falam na qualidade de filósofos” quanto os filósofos que “querem fazer estética sem fazerem caso da experiência da arte” (Pareyson, 2001, p. 7) são correntes insalubres no campo estético-filosófico. Em Nunes e em Pareyson, há uma defesa da filosofia da arte imbricada tanto na experiência estética quanto na experiência artística, fenomenológica e historicamente constituídas. Sem conhecer o filósofo paraense e já no século XXI, Peter Osborne vai aprofundar o que Nunes e Pareyson haviam sugerido décadas antes: a hipótese de que, no confronto com a arte contemporânea, opera-se um refluxo da Estética em prol do fluxo da Filosofia da Arte (Osborne, 2010).

Nesse embate sobre a morte da estética ou de sua inadequabilidade filosófica no trato da experiência artística moderno-contemporânea, Nunes percebe no Heidegger de a “Origem da obra de arte” “uma destruição da estética-ciência”, uma vez que este campo do conhecimento se comprometera “com determinada interpretação do Belo e da obra de arte” (Nunes, 2006, p. 118) – e eis aqui uma prova de que Nunes estava atento aos condicionamentos históricos e sociais dos conceitos.

O filósofo paraense não se contenta em fazer um necrológio da Estética – postura de vários teóricos da arte na segunda metade do século XX. Ao contrário, citando a “Estética” de Max Bense, na qual este arregimenta “as incidências da lógica com a estética e da filosofia com a linguagem” (Nunes, 2006, p. 119) nos aspectos comuns entre artes plásticas e literatura, Benedito Nunes percebe caminhos filosóficos atualizados para a estética na medida em que a dimensão ontológica da obra de arte (vista como co-realidade) foi defendida pelo filósofo de Sttutgart em meio a alguns aportes de Husserl, Heidegger, Morris e Wittgenstein. Ou seja, no instante mesmo em que “Introdução...” foi lançado, Benedito estava atento aos novos horizontes descortinados para a estética pari passu com as questões filosóficas impostas pela produção contemporânea da arte, sobretudo aquelas interessadas no estatuto da arte como linguagem.

De fato, enquanto o mundo acadêmico de línguas neolatinas estava em boa parte seduzido pelo estruturalismo de raiz semiológica (saussureana) nos anos 1960, uma pequena parte dos acadêmicos anglo-saxões se via às voltas com a lógica de raiz wittgensteiniana e/ou com a lógica semiótica de extração peirceana, como é o caso do Morris que Bense absorveu. Diga-se de passagem, os Estados Unidos se tornaram um campo privilegiado de confronto desses dois mundos a partir da presença de não poucos acadêmicos europeus nas universidades locais.

Será que é naquelas incidências da lógica com a estética e da filosofia com a linguagem (percebidas por Bense) que Benedito Nunes encontraria terreno para a revisão ampliada de seu “Introdução à Filosofia da Arte”? Ou essa revisão abarcaria os chamados pós-estruturalistas, dado os contatos diretos com Foucault na década seguinte? Nunca saberemos ao certo, mas algumas pistas podem ser traçadas.

Sobre o conceito de poética, numa citação que já se tornou clássica, Nunes afirma: “[Póiesis] É produção, fabricação, criação. [...] Significa um produzir que dá forma, um fabricar que engendra, uma criação que organiza, ordena e instaura uma realidade nova, um ser” (Nunes, 2006, p. 20). Longe de encetar aqui uma exegese sobre a poética em Benedito Nunes – tarefa para a qual não me sinto habilitado –, me pergunto se esta definição de poético ainda se sustenta diante da produção artística atual, se considerarmos que muito da estética do contemporâneo tem suas raízes nos anos 1960 do século passado, década atravessada pelos debates sobre tropicalismos, concretismos e neoconcretismos brasileiros. Se a prática consistir em desidratar os fenômenos artísticos até fazê-los caber numa grade conceitual, creio que não. Mas se, ao contrário (como faria Nunes), a prática privilegiar verdadeiramente o caráter fenomênico da obra dita de arte, creio que sim, pois aquela definição de poética de Nunes tem uma qualidade exemplar inerente a todo conceito filosófico que se preze: a plasticidade.

De qualquer modo, salta aos olhos dos leitores de “Introdução...” que Benedito Nunes arregimentou um time de teóricos que, embora contemple os gregos e passe pelos alemães dos séculos XVIII e XIX, conforma sua diatribe sobre o poético sob a revisão contemporânea desses mesmos ‘clássicos’ dos estudos estéticos em conexão com as contribuições de autores do século XX que ele considerava essenciais para as discussões que expunha e que se espraiavam bem além do campo filosófico em sentido estrito. A presença reiterada (na bibliografia sumária que encerra o livro) de Roger Bastide, Pierre Francastel, Lucien Goldmann e Arnold Hauser, de um lado, e de Ernst Cassirer e Suzanne Langer (única com duas indicações), de outro, atesta sua atenção, respectivamente, na sociologia da arte e na teoria das formas simbólicas, sem descurar da fenomenologia através (sobretudo) de Heidegger e de Merleau-Ponty. Várias das obras indicadas com pequenos comentários estão em inglês, alemão, francês e espanhol.

Considerando a impressão que tenho do prestígio da teoria da arte de franceses e italianos (Foucault, Deleuze, Didi-Hubermann e Agamben) no campo da pós-graduação em artes no Brasil, todos eles leitores de Nietzsche e Benjamin (como Nunes), sou tentado a afirmar que “Introdução à Filosofia da Arte” pode ser inserido nessa ‘angústia da influência’ filosófica alemã que perpassa o pensamento dos professores-filósofos de línguas neolatinas. O motivo talvez esteja no fato de que Nunes exerceu sua crítica literária – mais conhecida que seu exercício crítico nas artes visuais – por entre percepções de nossa antropofagia não só artístico-estética, como também estético-filosófica. Nesse sentido, basta uma citação retirada de seu “Oswald canibal”:

A atitude antropofágica, firmada no Manifesto de 1928, sofreu em A crise da Filosofia Messiânica, uma forte influência do esteticismo nietzschiano. Muito próximo do Nietzsche de A Origem da Tragédia, para quem a existência, em sua tragicidade, torna-se um fenômeno estético, e a arte um meio de “devorar” o conteúdo trágico da vida, a antropofagia, nessa versão de 1950, é uma filosofia trágica, que incorpora a psicologia orgiástica integrante dos ritos de sacrifício, ligados às matrizes primordiais das relações religiosas entre o homem e o universo (Nunes, 1979, p. 66; grifos do autor).

Depois de fazer uma pequena arqueologia dos contatos de Oswald de Andrade e dos modernistas brasileiros com as vanguardas europeias e depois de expor a fortuna crítica então existente sobre estes contatos, Nunes foi reler o ensaio de Oswald de Andrade sob a chave da filosofia nietzschiana da história – trabalho um tanto quanto olvidado pelos exegetas de Oswald na atualidade, inclusive por aqueles que veem o poeta, crítico e ensaísta paulista como precursor do decolonialismo na cultura brasileira.

Por essas e outras, para alguns de nós, os que se encontram atentos à tendência decolonial de nossa presentidade acadêmica, Benedito Nunes talvez soe hoje um moderno tão datado quanto os modernismos que ele procurou revisar como crítico e esteta. Entretanto, neste 2021 sanitária e politicamente pandêmico, às vésperas do centenário do modernismo paulista, talvez seja necessário problematizar a questão do ‘moderno’ muito além da discussão entre ‘datados’ e ‘contemporâneos’, se partirmos da hipótese de que o moderno, pari passu com o capital e o colonial, sobrevive como uma fantasmagoria (in)cômoda que atravessa nossos modos contemporâneos de ser e estar no mundo.

Sem citar diretamente vários dos ‘pós’ que definiriam nossa contemporaneidade e aduzindo que o pensamento filosófico contemporâneo talvez tenha sido plantado em algum momento do final do século XIX, Nunes nos oferece uma pista:

Importa ao historiador atentar muito mais para as diferenças que introduzem as descontinuidades na História do que para as similitudes entre os períodos. [...] Mas também se pode dizer que essa contemporaneidade é extremamente móvel, o seu momento atual já vai muito distante daquele da década de 60, quando este livro foi escrito. Uma nova atualidade terá vindo, no espaço de outra geração, sobrepor-se à anterior, inaugurando como que um diferente trajeto no mapa temporal do que é contemporâneo (Nunes, 2004, p. 14).

Nesta perspectiva traçada no livro que revisou e atualizou, talvez encontremos um dos porquês da “falta de tempo” de Nunes para revisar e atualizar “Introdução à Filosofia da Arte”, pois seguramente ele percebeu não poucas diferenças estéticas entre as temporalidades modernas e contemporâneas.

Conforme anunciado naquela conferência em 2004, Benedito Nunes era um moderno. Resta-nos verificar como seu pensamento sobrevive (ainda que feito fantasmagoria) em nossos modos de entrar e sair não só da (pós)modernidade, como também da (pós)história (da arte, inclusive), do (pós)colonial e de tantos outros ‘pós’ que vicejam por aí, conscientes ou não das transversalidades entre tempos, espaços e identidades. Afinal de contas,

[...] queiramos ou não, concordemos ou não com seus pressupostos teóricos e filosóficos, com suas escolhas no campo da filosofia e da literatura, [Benedito Nunes] ocupa um lugar imprescindível no cenário cultural brasileiro, de tal modo que ele se tornou um interlocutor fundamental no campo dos estudos de estética e filosofia da arte, por exemplo (Chaves, 2018, p. 24).

​Afonso Medeiros

Professor Titular de Estética e História da Arte da Faculdade de Artes Visuais e do

Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Pará;

Bolsista Produtividade do CNPq

Referências

CHAVES, Ernani. O mestre que ria. Cult, n. 231, São Paulo, setembro 2018, pp. 23-25.

NUNES, Benedito. Introdução à filosofia da arte. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1966 (Coleção Buriti, 7).

NUNES, Benedito. Oswald canibal. São Paulo: Perspectiva, 1979.

NUNES, Benedito. Introdução à filosofia da arte. São Paulo: Ática, 2006.

NUNES, Benedito. Filosofia contemporânea (edição revista e ampliada). Belém: EDUFPA, 2004.

NUNES, Benedito. Quase um plano de aula. Belém: EDUFPA, 2009.

OSBORNE, Peter. El arte más allá de la estética: Ensayos filosóficos sobre arte contemporáneo. Murcia: Cendeac, 2010.

PAREYSON, Luigi. Os problemas de estética. Trad. Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Como citar esse texto:

MEDEIROS, Afonso. 10 anos sem Benedito Nunes, 55 anos de um clássico. Beneditonunes.org, 23 jan. 2022. Disponível em: https://www.beneditonunes.org/afonso-medeiros. Acesso em: dia, mês e ano.

(1) Esse texto foi apresentado na Jornada 2021 da Associação Brasileira de Críticos de Arte e encontra-se no prelo dos respectivos Anais. Benedito Nunes foi um dos poucos paraenses membros da ABCA.

(2) Na dedicatória desse opúsculo, Nunes escreveu: “Para Afonso, simples, de um simples professor”.

(3) Se a memória não me falha: “Elementos de estética”, de João de Jesus Paes Loureiro; “Estética e teoria da arte”, de Harold Osborne (1968/1986); “A estética”, de Denis Huisman (1954/1981); “A filosofia da arte”, de Jean Lacoste (1981/1986); “Panorama das idéias estéticas no Ocidente”, de Fernando Bastos (1987); “A correspondência das artes”, de Étienne Souriau (1969/1983); e “História da estética”, de Raymond Bayer (1961/1979).

(4)​ Consta que, em suas discussões com o dileto amigo Francisco Paulo Mendes (1910-1999), professor de História da Arte da UFPA, havia não poucas escaramuças sobre as fontes dos modernismos nas artes – Francisco (Chico) defendendo o Romantismo e Benedito (Bené) defendendo o Realismo.