livros.png

Seu texto não está aqui?

Avisa a gente!

Os títulos aqui listados, em ordem cronológica, foram selecionados pelos editores e colaboradores do site de acordo com três critérios: a) livros dedicados à obra ou a aspectos da obra, à biografia ou à trajetória profissional de Benedito Nunes, em qualquer área de conhecimento; b) livros dedicados ao contexto histórico e cultural ou a temas históricos relacionados ao período e aos lugares em que Benedito Nunes viveu - e que possam iluminar sua biografia; c) livros dedicados a temas relacionados diretamente à obra de Benedito Nunes, em qualquer área do conhecimento, e que contribuam para seu estudo e divulgação.

Livros-sobre005.jpg

Júlia Maués. A modernidade literária no estado do Pará: o Suplemento Literário da Folha do Norte. Belém: Unama, 2002.

Livros-sobre003.jpg

Lilia Silvestre Chaves.

Mario Faustino: uma biografia. Prefácio de Benedito Nunes. Belém: Secult/IAP/APL, 2004.

Capa Marinilce Coelho.jpeg

Marinilce Oliveira Coelho.

O Grupo dos Novos (1946-1952): memórias literárias de Belém do Pará. Prefácio de Francisco Foot Hardman. Belém: EDUFPA/Unamaz, 2005.

A história e a memória literária da geração de intelectuais paraenses da década de 1940 são os focos de análise do livro. Nessa geração, transitaram nomes como o de Alonso Rocha, Benedito Nunes, Cauby Cruz, Francisco Paulo Mendes, Jurandir Bezerra, Haroldo Maranhão, Mário Faustino, Max Martins, Maurício Rodrigues, Ruy Barata, Robert Stock, Paulo Plínio Abreu e Sultana Levy Rosenblatt. Esse grupo, mais moderno que modernista, dialogou com outros grupos literários que surgiam no país e, assim, legitimou uma nova literatura e uma nova crítica literária. Nesse momento, Benedito Nunes lançava os seus primeiros escritos no Suplemento Arte Literatura (1946-1951), do jornal Folha do Norte, e nas revistas Encontro (1948) e Norte (1952), ambas fundadas e dirigidas pelos integrantes do grupo. Ademais, o livro aborda as diversas trajetórias dos movimentos literários do final do século XIX e dos modernistas paraenses.

Marinilce Oliveira Coelho

Paraguassu001.jpg

Paraguassú Éleres. Teatro de Vanguarda: o Norte Teatro Escola do Pará e os Festivais de Teatro de Estudantes - Recife, Santos, Brasília, Porto Alegre (1958-1962). Prefácio de Lúcio Flávio Pinto. Belém: Paka-Tatu, 2008.

Livros-sobre001.jpg

Jucimara Tarricone. Hermenêutica e crítica: o pensamento e a obra de Benedito Nunes. Prefácio de Nádia Battella Gotlib. São Paulo: EDUSP/Fapesp; Belém: EDUFPA, 2011.

O livro é, com ligeiras modificações, fruto da minha pesquisa de doutoramento defendida na Universidade de São Paulo em 2007.  O prefácio de Nádia Battella Gotlib acentua a originalidade e o pioneirismo do estudo acerca da produção, do método e da construção da linguagem crítica de Benedito Nunes. Tal crítica é entendida como uma leitura hermenêutica perpassada por um discurso em confrontação filosófica e literária, em que outras vozes, por vezes, misturam-se à sua identidade escritural, como as de Nietzsche, as de Heidegger, as de Ricoeur... Pretende-se, antes de tudo, acompanhar os passos da sua hermenêutica e realçar a problemática que ele imprime ao seu texto. No essencial, a pesquisa se divide em três momentos: em “Uma incursão à obra e ao pensamento de Benedito Nunes”, a intenção é a de ressaltar seus principais escritos, a recepção crítica à sua obra e a linha interpretativa em que se move; no caso, a de Paul Ricoeur: tese que se defende como ponto chave do livro.  No segundo, intitulado “A crítica crítico-reflexiva de Benedito Nunes”, enfatiza-se quatro itens representativos das características do seu corpus ensaístico: 1. a crítica definida como tensão entre a escrita dos escritores e a leitura dos críticos; 2. o confronto de ideias estéticas e poéticas; 3. as raízes filosóficas como marcas do discurso teórico-crítico; e 4. o traço da historicização e o uso do ensaio. Por fim, em “A opacidade crítica: a linguagem na divisa entre o conceitual e a criação de imagens”, destaca-se a sua prática de leitura hermenêutica e o modo como tece a sua linguagem crítica, em que se sobressai inscrito, por vezes, o metafórico. O livro foi finalista do Prêmio Jabuti na área de Teoria e Crítica em 2012.

Jucimara Tarricone

Livros-sobre004.jpg

Lilia Silvestre Chaves (Org.). O amigo Bené: fazedor de rumos. Prefácio de Paulo Chaves Fernandes. Belém: Secult, 2011.

dd02f64d-f653-4601-a094-d6d0cd374e4f.jpg

Luiz Costa Lima; Victor Sales Pinheiro (Orgs.). Benedito Nunes: o pensamento poético.

Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2012. Coleção Grandes Mestres.

CAPA DO LIVRO MEMÓRIAS CÊNICAS.jpg

José Denis de Oliveira Bezerra. Memórias cênicas: poéticas teatrais na cidade de Belém (1957-1990). Prefácio, Apresentação e Pré-Texto de Fábio Carvalho de Souza, José Guilherme dos Santos Fernandes e Josebel Akel Fares. Belém: IAP, 2013.

O livro, com algumas modificações, é fruto de minha dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Pará em 2010. A pesquisa desenvolvida analisou uma possível cena teatral moderna em Belém do Pará, através de dois grupos de teatro, Norte Teatro Escola do Pará (1957-1962) e Cena Aberta (1973-1990), a partir das discussões sobre a encenação moderna ocidental no século XX. Além disso, propôs um debate sobre a necessidade da escrita historiográfica das práticas teatrais paraenses, no questionamento dos estudos tradicionais que se dedicam aos movimentos culturais do Sudeste brasileiro, deixando à margem dessa história as trajetórias de grupos, artistas, obras de outros estados do país. Acima de tudo, este estudo é uma homenagem aos artistas e intelectuais envolvidos com os projetos culturais investigados, uma celebração de suas memórias cênicas, protagonizando suas lembranças, suas histórias de vida e arte. O livro ganhou o Prêmio José Sampaio de Campos Ribeiro, do Instituto de Artes do Pará, em 2013.

Denis Bezerra

EDUA 2013.jpg

Andréa Costa de Andrade. Diálogos filosóficos com Benedito Nunes. Manaus: EDUA, 2013.

Livros-sobre002.jpg

Lilia Silvestre Chaves (Org.). Meu caro Bené: cartas de Mario Faustino a Benedito Nunes. Prefácio de Paulo Chaves Fernandes. Belém: Secult, 2017.