livros.png

Mario Faustino (1930-1962)

 

Benedito Nunes foi o maior divulgador da obra de Mario Faustino. Pouco tempo depois de Mario publicar seu primeiro e único livro, O Homem e sua Hora, de 1955, Benedito publicou um alentado estudo no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, que chamou a atenção do país para o poeta piauiense, criado em Belém do Pará e que havia se mudado há pouco para a capital do país. Graças à amizade que os uniu, Benedito tornou-se legatário da obra de Faustino, depois que este faleceu em um acidente de avião, em 1962. Pelo acaso e pela disposição deixada em um bilhete que Mario entregou à sua mãe, antes de viajar, Benedito também herdou os papeis e a biblioteca de Mario. Em 1966, Benedito publicou, pela Editora Civilização Brasileira, a primeira antologia poética de Faustino. A esta, seguiram-se outras antologias, que reuniram textos publicados no Jornal do Brasil, poemas e traduções. Mais recentemente, Benedito foi um grande incentivador de outros estudiosos da vida e da obra de Mario Faustino, como Maria Eugênia Boaventura e Lilia Silvestre Chaves.

O-Homem-e-sua-Hora-2.jpg
O-Homem-e-sua-Hora.jpg

Primeira crítica ao livro O Homem e sua Hora, de Mario Faustino, publicada por Benedito Nunes no Jornal do Brasil (Rio de Janeiro, 5  e 12 de agosto de 1956).

poesia-de-mario-faustino-mario-faustino-

Poesia de Mario Faustino. Organização e introdução de Benedito Nunes. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1966.

Capa002.jpg

Mario Faustino: Poesia-Experiência. Organização e introdução de Benedito Nunes. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977. Coleção Debates, 136.

poesia-completa-mario-faustino-1-edico.j

Mario Faustino: Poesia completa, poesia traduzida. Organização, introdução e notas de Benedito Nunes. São Paulo: Editora Max Limonad, 1985.

Capa003.jpg

Melhores poemas de Mário Faustino. Seleção e prefácio de Benedito Nunes. São Paulo: Global Editora, 1985. Coleção Melhores Poemas, 14.

2 edicao 1988.jpg

Melhores poemas de Mário Faustino. Seleção e prefácio de Benedito Nunes. 2ª. edição. São Paulo: Global Editora, 1988. Coleção Melhores Poemas, 14.

Melhores poemas de Mario Faustino - 4 ed

Melhores poemas de Mário Faustino. Seleção e prefácio de Benedito Nunes. 4ª. edição. São Paulo: Global Editora, 2000. Coleção Melhores Poemas, 14.

Clarice Lispector (1920-1977)

 

Estudioso da obra de Clarice Lispector, Benedito Nunes foi convidado, em 1986, pela Association Archives de la Littérature Latino-Américaine, des Caraïbes et Africaine du XXe. Siècle (ALLCA XXe.), vinculada à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), para coordenar a edição crítica do romance A Paixão Segundo G.H., publicado originalmente em 1964. O objetivo da ALLCA XXe. era divulgar, em diversas línguas e em edições simultâneas, as obras-primas da literatura latino-americana, caribenha e africana, selecionadas por um Comitê Científico Internacional. O "livro maior de Clarice Lispector", no texto do próprio Benedito Nunes, foi incluído na lista por "ser aquele que amplia os aspectos singulares de sua obra, extremando as possibilidades que nela se concretizam". Para a empreitada, Benedito convidou dez colaboradores: Affonso Romano de Sant'Anna, Antonio Cândido, Benjamin Abdala Júnior, Glória Maria Cordovani, João Cabral de Melo Neto, Nádia Battella Gotlib, Norma Tasca, Olga Borelli, Olga de Sá e Samira Youssef Campedelli. O livro foi publicado em 1988, com reedição em 1996. Ele inclui, além do texto de A Paixão..., acrescido de notas críticas, ensaios biográficos e críticos, cronologia, bibliografia, fac-símile de originais, cartas, entrevistas e outros documentos relacionados.

Capa004.jpg

Clarice Lispector. A Paixão Segundo G.H. Edição crítica. Coordenada por Benedito Nunes. Paris: ALLCA XXe.; Brasília: CNPq, 1988. Coleção Arquivos, 13.

Capa005.jpg

Clarice Lispector. A Paixão Segundo G.H. Edição crítica. Coordenada por Benedito Nunes. 2a. ed. Paris: ALLCA XXe., 1996. Coleção Arquivos, 13.

Platão

 

Benedito Nunes coordenou as sucessivas edições da obra de Platão, feitas pela Universidade Federal do Pará (UFPA) desde a década de 1970. A tradução dos 32 textos, reunidos sob o título de Diálogos (incluindo os apócrifos), foi feita por Carlos Alberto Nunes (1897-1990), tio de Benedito, diretamente do grego, entre 1962 e 1969. Em 1973, o tradutor doou seus originais à UFPA, que começou a publicá-los no mesmo ano, acrescidos de um volume de estudos intitulado Marginalia Platônica. Entre 1973 e 1980, foram publicados em 14 volumes. Entre 1986 e 1988, três volumes foram reeditados e, entre 2000 e 2007, sete apareceram novamente. Em 2011, a UFPA deu início à republicação da obra completa de Platão, agora em edição bilíngue, com texto grego estabelecido por John Burnet, tendo como editor convidado Plínio Martins Filho e como revisor da tradução Aristóteles Angheben Predebon. Os textos foram reorganizados em 18 volumes. A coleção segue sendo a única tradução do corpus platonicum em língua portuguesa.

Marginalia platonica 2.jpg

Carlos Alberto Nunes. Marginalia Platonica. Volume introdutório à edição completa dos Diálogos, de Platão. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. Coleção Amazônica, Série Farias Brito.

Teeteto001.jpg

Platão. Teeteto-Crátilo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 2a. ed. Belém: Universidade Federal do Pará, 1988.

Republica001.jpg

Platão. A República. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Coordenação de Benedito Nunes. 3a. ed. rev. Belém: Universidade Federal do Pará, 2000.

O banquete.png

Platão. O Banquete. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Coordenação de Benedito Nunes e Victor Sales Pinheiro. 3a. ed. Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011. Coleção Diálogos de Platão, 1.

Outros

 

Capa001.jpg

A Crise do Pensamento: Ciclo de Preleções. Organização de Benedito Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, 1994.

Livro resultante do seminário homônimo, realizado em Belém (PA) entre 14 e 18 de junho de 1993, pelo Núcleo de Arte da Universidade Federal do Pará e pela Fundação Rômulo Maiorana. Dele constam cinco ensaios, de autoria de Oswaldo Giacoia Júnior, Zelijko Loparic, Benedito Nunes, José Maria Filardo Bassalo e Gerd Bornheim, e uma homenagem a José Américo da Motta Pessanha, que deveria fazer a abertura do evento, mas faleceu na véspera.

Capa006.jpg
Capa007.jpg

O amigo Chico: fazedor de poetas. Organização de Benedito Nunes. Belém: Secretaria de Cultura do Estado do Pará, 2001.

Dalcídio Jurandir: romancista da Amazônia. Organização de Benedito Nunes, Ruy Pereira e Soraia Reolon Pereira. Belém: Secretaria de Cultura do Estado do Pará, 2006.

A convite da SECULT-PA, Benedito Nunes organizou o livro em homenagem a Francisco Paulo Mendes (1910-1999). Ele reúne textos de 37 autores, além de nota biográfica, cronologia, republicações, inéditos, documentos e iconografia. O livro deu início a uma série de publicações semelhantes em homenagem a Dalcídio Jurandir (abaixo), Vicente Salles (organizado por Maria Regina Maneschy) e o próprio Benedito Nunes (organizado por Lilia Silvestre Chaves).

A convite da SECULT-PA, Benedito Nunes foi um dos organizadores do livro em homenagem a Dalcídio Jurandir (1909-1979). Ele reúne textos de 13 autores, além de biografia, cronologia, vasta documentação (cartas, recortes de jornal, dedicatórias, capas de livros etc.) e iconografia. É o segundo volume da série criada por Benedito e publicada pela SECULT, que associa memória e documentação da trajetória e da obra de escritores paraenses.